NadaFrágil.com.br

Depressão pós-parto: você sabe como identificá-la?


Fabíola Cunha

Cerca de 13% das mulheres que dão à luz desenvolvem depressão pós-parto, uma condição séria, de longa duração.

Gravidez depois dos 35 anos

O nascimento de uma criança pode criar uma série de emoções poderosas, como euforia e alegria, mas também medo e ansiedade. Ele também pode resultar em algo pouco esperado – depressão.

Muitas mamães experimentam sentimentos negativos após o parto, que podem incluir mudanças de humor, choro, ansiedade e dificuldade de dormir. Esses sentimentos começam nos primeiros dois ou três dias depois do parto, durando até duas semanas.

Mas em alguns casos, uma forma mais severa ocorre: a depressão pós-parto. Tratamento é necessário para que os sintomas sejam controlados.

Sintomas da depressão pós-parto

depressão pós-parto

Os sinais e sintomas desse problema são intensos e duram muito tempo, acabando por interferir na capacidade da mulher de cuidar do bebê e seguir com suas atividades cotidianas. Eles podem começar nas primeiras semanas ou até mesmo depois de seis meses após o parto.

  • Humor depressivo
  • Alterações bruscas de humor
  • Choro excessivo
  • Dificuldade de se aproximar afetivamente do bebê
  • Isolamento social e familiar
  • Perda ou excesso de apetite
  • Insônia ou sonolência excessiva
  • Fadiga extrema
  • Interesse reduzido em atividades que costumava apreciar
  • Irritabilidade intensa e raiva
  • Medo intenso de não ser uma boa mãe
  • Medo de ser inútil, vergonha, culpa ou inadequação
  • Ansiedade severa
  • Ataques de pânico
  • Pensamentos sobre ferir a si mesma ou ao bebê
  • Pensamentos suicidas

Aproveite e confira também os principais sintomas da gravidez.

Psicose pós-parto

depressão pós-parto

É uma condição rara que pode se desenvolver na primeira semana depois do parto, com sinais e sintomas ainda mais severos que o da depressão pós-parto. Requer tratamento imediato e intensivo.

  • Confusão e desorientação
  • Pensamentos obsessivos sobre o bebê
  • Alucinações
  • Perturbações do sono
  • Paranóia
  • Tentativas de se machucar ou machucar o bebê

A depressão pós-parto não é “frescura” e não pode ser ignorada, pois a saúde física e mental da mulher e do bebê estão em risco. Muitas mulheres, ao desenvolverem os sintomas, sentem-se ainda piores devido às cobranças da sociedade que oprimem com a ideia de que o nascimento de uma criança deve sempre trazer felicidade.

É dever das pessoas próximas à mulher que sofre com o problema dar todo o apoio necessário na recuperação, sem julgá-la ou ridicularizá-la pelo assunto.

As causas da Depressão pós-parto

depressão pós-parto

Mudanças físicas, devido à intensa queda nos hormônios estrogênio e progesterona podem contribuir para o desenvolvimento da doença. Hormônios da tireóide também podem apresentar uma queda grande, o que contribui para a sensação de fadiga e desânimo. No campo emocional, as exigências dos primeiros momentos com o bebê atrapalham o sono e mudam a relação com a auto-imagem e identidade.

Fatores de risco da Depressão pós-parto

depressão pós-parto

  • Histórico de depressão
  • Transtorno bipolar
  • Histórico de depressão em outros membros da família
  • Complicações durante a gravidez como pré-eclâmpsia, diabetes, etc.
  • Bebês com necessidades especiais
  • Dificuldade para amamentar
  • Problemas no casamento ou relacionamento
  • Problemas financeiros
  • Gravidez indesejada ou não-planejada

Gostou deste artigo? Deixe seu comentário abaixo! Veja também: Cuidados básicos na gravidez.

Facebook NadaFrágil.com.br

Uma resposta para “Depressão pós-parto: você sabe como identificá-la?”

  1. josé disse:

    Oi Gente, estou fazendo uma visitinha por aqui.
    Gostei bastante do site, vou ver se acompanho toda semana suas postagens
    Gosto muito desse tipo de conteúdo um Abraço 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *