NadaFrágil.com.br

Ficar em casa ou voltar ao trabalho: o que é melhor para o bebê?


Eliana Lee

Como tudo na vida, voltar ao trabalho depois que o bebê nasce também tem seus prós e contras: resta decidir o que será mais vantajoso para a mãe e para a criança. Essa decisão, no entanto, pode até parecer simples, mas é muito mais complicada do que as pessoas imaginam, principalmente quando se trata do primeiro filho em que as dúvidas e incertezas já tomam conta, naturalmente do estado de espírito da nova mamãe.

Antes de se decidir considere alguns pontos essenciais.

Voltar ao trabalho

Mulher trabalhando fora

Mães que trabalham têm muito a ensinar a seus filhos. Naturalmente, a criança cria certa independência desde cedo e desenvolve habilidades importantes para sua vida, principalmente se a mãe trabalha com dinamismo e motivação. Isso faz com que a criança aprenda desde cedo o senso de responsabilidade e que trabalhar é sim, algo prazeroso e útil. Outro ponto observado nestas crianças é que elas têm mais probabilidade de lutarem por seus ideais e sonhos no futuro.

Além de tudo isso, existe o óbvio: o retorno financeiro. Com mais dinheiro entrando, a possibilidade de dar a seu filho melhor educação e qualidade de vida cresce consideravelmente.

Entretanto, se a mãe se sentir sobrecarregada na hora de conciliar trabalho e família e demonstrar essa frustração em casa, as crianças podem manifestar uma atitude negativa com relação ao trabalho.

Também é importante lembrar que crianças de pais que trabalham fora tendem a se sentir preteridas ou solitárias, tendo atenção apenas de professores, outros parentes ou babás. É de grande valia separar algum tempo do seu dia para se dedicar única e exclusivamente à criança. Dialogar e brincar exige dedicação e não quantidade de horas. A criança irá perceber que o tempo que passam juntos é importante e que você está presente na vida dela, embora passe algumas horas do dia longe.

Lembre-se que se uma mãe que trabalha puder garantir amor e cuidados, então ela não deve se sentir culpada por nada.

Confira também nossas dicas para montar o quarto ideal para seu bebê.

Ficar (e / ou trabalhar) em casa

Mãe

Para algumas mulheres, existe a possibilidade de permanecer em casa após o nascimento do bebê. São mães que não se sentem seguras em deixar a criança sozinha, com estranhos ou em creches, e não há nada de errado nisso. Se há a possibilidade financeira (e também comum acordo entre todos os habitantes da casa), a mulher pode optar por ficar em casa durante determinado período, até que a criança entre em idade escolar, por exemplo, quando poderá voltar ao mercado de trabalho se desejar.

As grandes vantagens de ficar em casa incluem participar ativamente da vida e educação do bebê, observar de perto seus progressos e colaborar bastante em sua alimentação, educação e saúde.

Por outro lado, filhos de donas de casa podem se acostumar com a atenção da mãe durante todo o dia e têm mais dificuldades de reconhecer seus trabalhos e esforços diários.

Seu filhote é terrível? Veja nosso artigo sobre como acalmar os bebês em seus primeiros meses de vida.

Mães que trabalham em casa

Também existe a possibilidade de a mulher se sentir frustrada com o passar do tempo e descontente por ter pausado a carreira e a vida profissional. Algumas mulheres resolvem este impasse diminuindo a quantidade de horas trabalhadas fora ou ainda criando maneiras de trabalhar em casa.

Entre as escolhas mais feitas atualmente estão os trabalhos com artesanato, costura, revenda de produtos de beleza, trabalhos freelancer pela Internet ou até mesmo lojas virtuais. A grande vantagem desse tipo de projeto é que faz com que a mulher consiga permanecer em casa para cuidar de seu filho ao mesmo tempo em que se sente útil, colaborando financeiramente com as despesas do lar.

Antes de tomar sua decisão converse com outras mães: amigas, colegas de trabalho e até mesmo alguns fóruns online voltados para a maternidade são um excelente meio de encontrar mães na mesma situação que você. Vale a pena ponderar cada detalhe antes de se decidir, pois sua carreira e seu filho são importantes para a sua vida, e você merece sentir-se feliz com ambos.

Facebook NadaFrágil.com.br

Deixe uma resposta