NadaFrágil.com.br

Gravidez depois dos 35 anos


Calila Galvão

Nós mulheres, já nascemos com todos os nossos óvulos que vamos usar durante a nossa vida, mas infelizmente, eles não duram a vida toda. A partir dos 35 anos, eles começam a envelhecer e uma gestação já não é mais tão simples. Isso, aliado a outras mudanças da idade como queda no metabolismo e baixa no sistema imune já atrapalham o corpo a se preparar para uma gravidez. Infelizmente, a medicina e a tecnologia ainda não avançou muito nesse aspecto.

Mas, é cada vez mais comum que mulheres acima de 35 anos queiram engravidar. Como nós estamos com todo o gás no mercado de trabalho, a maternidade acaba ficando em segundo plano. Queremos uma estabilidade financeira como primeira meta e só depois constituir família e ter filhos. Se você se encaixa nessa categoria, não precisa se desesperar! É possível amenizar bastante os riscos de uma gestação nessa idade se você começar ter uma vida mais saudável com prática de atividades físicas, alimentação balanceada e ir regularmente ao médico. Veja como é possível reduzir alguns riscos de uma gestação nessas condições.

Hipertensão Arterial

Gravidez depois dos 35 anos

A própria placenta, que já não consegue se desenvolver de maneira correta, libera algumas substâncias que faz os tecidos dos vasos ficarem mais rígidos. Essa situação aumenta a pressão arterial por conta da redução da elasticidade dos vasos. A hipertensão é de 2 a 3 vezes mais frequente em mulheres grávidas, mas os ricos podem ser amenizados se houver uma mudança na alimentação reduzindo o teor de sódio da comida e fazer atividades físicas de maneira regular, mas sempre com acompanhamento profissional.

Confita também nossa matéria sobre os principais sintomas da gravidez.

Diabetes durante a gravidez

Gravidez depois dos 35 anos

Mulheres com idade acima dos 35 anos têm mais chances de desenvolver diabetes gestacional do que as outras. Quando vamos envelhecendo, a resistência à insulina aumenta e assim é necessária uma quantidade muito maior de insulina para metabolizar a mesma quantidade de açúcar que você está acostumada a ingerir. A solução? A mesma do item acima: alimentação adequada e exercícios físicos. O pré-natal é extremamente importante nesse momento, principalmente para monitorar o nível de glicose no sangue.

Confira nossas receitas para quem possui diabetes.

Desenvolvimento reduzido do bebê

Gravidez depois dos 35 anos

Não se faz mais bebês como antigamente, pelo simples fato de que, antigamente, a mulher não saía para trabalhar, não se preocupava com as tarefas do emprego e não possuía um nível de estresse tão elevado como o de antes. Todos esses fatores refletem na nutrição e na saúde do feto e isso resulta numa criança com baixo peso e mais propensa a doenças. Soma-se a isso a péssima alimentação que todos temos hoje, comendo muitos alimentos congelados e enlatados. O médico deve ir acompanhando o crescimento do bebê até o seu nascimento e para qualquer indício de anormalidade, o mais recomendado é ficar em repouso.

Modificações genéticas

Gravidez depois dos 35 anos

Infelizmente, uma gestação nessa idade acarreta um número maior de chances do filho nascer alguma doença genética como a Síndrome de Down, de Turner, Distrofia Muscular de Duchenne, entre outras. Como os óvulos já estão um pouco envelhecidos, pode haver uma falha durante a divisão celular e acarretar em um número maior ou menor de cromossomos, o que leva às doenças genéticas. Ter um filho ao modo natural pode acarretar em todas essas doenças, depois dos 35 anos, então há duas opções: congelar os óvulos enquanto ainda houver tempo ou fazer uma fertilização in vitro, onde é possível identificar se há alguma alteração no DNA.

Placenta prévia

Gravidez depois dos 35 anos

Isso acontece quando a placenta está localizada no colo do útero e não no fundo deste, onde é o seu lugar normal. Essa disfunção pode causar muitos sangramentos e impedir o parto normal. Não há muito o que fazer sobre esse fato, mas se você ainda é jovem e pretende ter filhos depois dos 35 anos evite ter partos cesarianos, isso aumenta as chances de sofrer com a placenta prévia. Também é possível detectar a anomalia entre o 3º e o 4º mês de gestação, a partir daí é preciso evitar relações sexuais ou exercícios de alto impacto.

Parto antes do tempo

Gravidez depois dos 35 anos

O parto prematuro não é exclusividade das mais velhas, mas costuma acontecer com mais frequência. O ambiente no qual o bebê está não mais tão adequado quanto alguns anos atrás e o corpo, sabiamente, acelera o nascimento para não haver maiores complicações. Quer evitar isso? Em 95% dos casos é possível evitar o parto prematuro apenas seguindo o pré-natal ao pé da letra e seguir todas as recomendações médicas.

Facebook NadaFrágil.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *