Entenda o que é a Dislexia, Sintomas e Tratamentos

DislexiaMuitas crianças apresentam dificuldade ao ler, escrever e soletrar. Trocar letras como V e F, D e T ou P e B é comum em algumas idades, mas pode apresentar sinais de dislexia, uma disfunção frequente e ainda pouco conhecida pelos pais e educadores. De acordo com a Associação Brasileira de Dislexia, o transtorno acomete, em algum grau, até 17% da população mundial, pode manifestar-se em pessoas com inteligência normal ou mesmo superior e persistir na vida adulta.

O que é Dislexia?

A dislexia afeta a capacidade de extração de conteúdo pela leitura e mesmo a síntese de ideia pela escrita. Os portadores dessa dificuldade não conseguem associar adequadamente os fonemas às letras. De acordo com o neurologista formado pela Universidade de São Paulo, Leandro Teles (leandroteles.com.br) (CRM 124.984), a dislexia pode ter determinantes genéticos.

“A predisposição a dislexia está provavelmente impressa nos cromossomos. A chance do filho de um disléxico desenvolver a doença gira em torno de 40 % em alguns estudos, gêmeos idênticos (univitelinos) tem altas taxas de diagnóstico e essas taxas são bem superiores a de gêmeos não idênticos (bivitelinos), tudo isso demonstra que o componente genético é muito relevante. Vários genes estão sendo estudados como possíveis geradores da disfunção”, explica o neurologista. É importante lembrar que a dislexia não significa desatenção, falta de motivação,  baixa inteligência ou problemas emocionais.

DislexiaSegundo o médico, s dislexia é o distúrbio muito comum, sendo o principal diagnóstico associado ao baixo rendimento escolar. De modo geral, ela acomete entre 5% a 17% da população mundial, um pouco mais de meninos em relação às meninas. “A doença existe em todos os continentes e sociedades que utilizam a escrita. É uma disfunção que perdura em algum grau por toda a vida, então crianças disléxicas tornam-se adultos disléxicos. É fundamental o diagnóstico precoce e o tratamento direcionado para que a pessoa atinja todo seu potencial escolar e profissional”, afirma Leandro Teles.

  Passos para fazer os seus relacionamentos darem certo

Talvez você tenha interesse em ler também nosso artigo sobre vaidade infantil, ou caso seu filho seja um “fofinho” literalmente falando, nosso artigo sobre obesidade infantil pode ser uma ótima pedida..

Fique atenta aos sinais da dislexia

A criança com dislexia apresenta dificuldade na leitura desde a alfabetização. Alguns indicadores são a tendência a trocarletras, inverter sílabas e esquecer letras ou palavras nas frases. O neurologista diz ainda que a compreensão das crianças disléxiccas é dificultosa e geralmente subtotal. “A disfunção impregna também a escrita, a forma das letras e eventualmente até a capacidade de elaborar cálculos matemáticos e de fixar a matéria.  É importante frisar que deve-se sempre afastar outros problemas que possam estar mimetizando a dislexia, como problemas de visão, audição, déficit de atenção e mesmo problemas intelectuais ou emocionais.”

Nem toda criança com dificuldade para ler e escrever é disléxica

“Mas certamente todo o disléxico tem dificuldades para leitura, em algum grau”, afirma Leandro Teles. Por isso a dislexia é um diagnóstico de exceção, é preciso ter clareza de que não há outro distúrbio sensorial ou mental que justifique a dificuldade escolar. Outra questão é a própria inadequação do método de ensino em algumas situações. Por isso, o diagnóstico deve ser cauteloso e deve ser realizado com profissionais habilitados para tal.

DislexiaSegundo o neurologista, é possível perceber dificuldades no desenvolvimento da fala em criança disléxicas pré-escolares. A compreensão está geralmente perfeita, assim como a interação e a inteligência, mas os erros e distorções fonêmicas ocorrem com intensidade maior. Se essa dificuldade estiver associado a história familiar positiva para dislexia, o diagnóstico futuro torna-se muito provável. Neste contexto é possível delimitar crianças “em risco” e desenvolver medidas a partir de cinco ou seis anos de idade.

  "Pickup Artist" - Homens treinados para seduzir

Dislexia e inteligência

A dislexia é uma disfunção de determinados pontos da linguagem. A inteligência é um produto cognitivo complexo que engloba muitos outros domínios. O médico Leandro Teles explica que, de modo geral, o disléxico tem inteligência normal e alguns até acima da media. São crianças criativas, emocionalmente  adequadas, com raciocínio rápido e cheias de estratégias para driblar as dificuldades da dislexia. “Existem inúmeras personalidades intelectuais, cientistas, professores e inventores com dificuldade de leitura e escrita, sendo que isso não os impediu de dar sua contribuição a toda sociedade.”

A disfunção afeta o hemisfério dominante para a linguagem, na grande maioria das vezes o hemisfério esquerdo. A região responsável pela integração da leitura fica na região mais posterior conhecida como junção têmporo-parieto-occipital (pois existem conexões desses três lobos). Por fora da cabeça encontramos essa região um pouco atrás e acima da orelha esquerda.

Diagnóstico da Dislexia

DislexiaO neurologista afirma que a dislexia não é diagnosticada com exames de sangue e nem com tomografia ou ressonância. “O diagnóstico aflora de uma consulta clínica direcionada e com testes de linguagem. Importante re-enfatizar que é fundamental excluir dificuldades sensoriais (dificuldade para enxergar ou ouvir, por exemplo) e mesmo outras doenças cerebrais que possam justificar melhor a dificuldade da utilização da linguagem. É também fundamental diferenciar a dislexia dos transtornos transitórios do aprendizado e mesmo das dificuldades referentes a má aplicação do método escolar.”

O próprio pediatra que acompanha regularmente a criança pode, diante das queixas maternas, iniciar a investigação de dislexia. Em casos complexos é fundamental a participação do neuropediatra e de profissionais da área de fonoaudiologia e psicopedagogia.

Os pais devem estar atentos para o desenvolvimento da linguagem e a alfabetização da criança. Caso reconheçam alguma dificuldade o médico da criança deverá ser imediatamente comunicado. Uma linha de tratamento deverá ser traçada e seguida em busca da otimização do resultado escolar.

  Ser mãe: como saber a hora certa para ter o primeiro filho

“Da mesma forma que é importante diagnosticar a dislexia é importante que não haja estigmatização da criança e nem superproteção. A criança deve ser encorajada a superar suas dificuldades e deve receber o mesmo tratamento afetivo e social de qualquer outra criança sem dislexia”, afirma o médico.

Tratamento da Dislexia

A dislexia deve ser tratada com intervenções psicopedagógicas e fonoaudiológicas. Nenhum método de reabilitação é totalmente eficaz, por isso a linha deve ser escolhida caso a caso. “A meta não é a cura, uma vez que a dislexia é um distúrbio crônico e persiste, em algum grau, até a idade adulta. Quanto antes for instituída a terapêutica, melhor será o resultado final em termos escolares e profissionais. Dar sempre preferência aos métodos multissensoriais e com embasamento científico”, conta Leandro Teles.

Dislexia

Separei mais esses conteúdos para você:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui